terça-feira, 20 de maio de 2008

Viaturas I - AMS 51

AMS 51 - AUTO-MACA DE SOCORRO

Viatura de 1ª intervenção, que tem como principal função o socorro pré-hospitalar.
Possui equipamento para o Suporte Básico de Vida.
A sua tripulação é constituída por 2 ou 3 elementos com o Curso de Tripulante de Ambulância de Socorro (TAS).







5 comentários:

Anónimo disse...

Importa informar que falta equipamento importante no seu interior, como o monitor desfribilador, a muito prometido.E a questão do numero de tripulantes deveria ser sempre 3, pk quem percebe minimamente de socorrismo sabe que trabalha-se melhor e presta-se um melhor serviço e mais rápido.Espera-se que quem tem alguma responsabilidade faça alguma coisa.Fiquemos a aguardar

BVS disse...

E quem trabalharia com esse desfibrilhador? Pois se o anónimo não sabe, a sua utilização é "ainda" um acto médico, estando apenas os médicos autorizados a utiliza-lo. Continua-se á espera da respectiva legislação, a qual irá permitir que técnicos devidamente formados (onde se incluem os bombeiros).
Quanto ao nº de elementos, o ideal seriam 3, mas a tripulação mínima são 2 elementos.

quintino disse...

A questão do disfibrilador colocado pelo o anónimo é certa, é algo em falta na ambulância,na nossa e nao só, já é tema a muito debatido em todo o país, mas a justificação dada pelo bvs também está em todo certa, de nada serve o investimento nesses aparelhos se não podemos usa-los, ainda não pelo menos, acabaria acontecendo o que acontece cá no continente que as ambulâncias tem, e apenas estão lá a ganhar pó, sendo usados quando a presença de alguém que saiba e possa os usar,
Mas já que falamos em material que falta na ambulância
Que tal protecção para tripulantes da ambulância. Falo de capacetes, destes por exemplo

http://www.vianas.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=435

Que muitas corporações têm vindo a adquirir, aqui tenho visto muitos pelo menos
Quando tirei o curso de TAS, mínimo de tripulantes numa ambulância era 3 elementos, 2 elementos equipa incompleta mas não ineficaz usando mais ou menos as palavras de um enfermeiro que deu o curso
- As ambulâncias no mínimo tem de ter 3 elementos isto para que se for preciso ir buscar material, dar informações a emir,ou ao quartel, ou pedir ajuda,ou outra qualquer acção caso necessária ficara sempre dois elementos com a vitima pois um dificilmente dará conta do recado,e dou vos o exemplo mais pratico que é mover a maca em caso de urgência caso o terceiro elemento esteja fora(não era o exemplo mais importante mas foi o que ele deu,claro que ele deu outros mas apenas me estou lembrando deste),muitos dos das corporações sabem isso,mas que podemos fazer alguns não tem elementos para tal e vão mandando sempre 2 elementos numa ambulância, mas o mínimo são 3,que podemos nos fazer,2 é que as corporações podem mandar, porque 1 não consegue fazer nada sozinho
Acho que foi mais ou menos isto

Claro que agora pode ter mudado, e eu não teimo quanto a isso, mas foi o que me foi ensinado

BVS disse...

Caro colega e amigo Quintino:

Quanto ao desfibrilador, sei que estão a alterar a legislação para que alguns elementos ligados ao socorro possam utilizar os respectivos desfibriladores. O que se coloca aqui não é falta d dinheiro para a sua aquisição, pois estes já estão adquiridos, mas sim autorização para a sua utilização e a formação. Penso que muito brevemente iremos ter novidades nessa área.

Quanto a aquisição de material de protecção para os tripulantes das ambulâncias de socorro, estou completamente de acordo contigo, mas posso informar-te que se está a proceder à sua aquisição.

Em relação à tripulação que deve conter uma ambulância de socorro (tipo B), concordo consigo que o ideal deveriam ser 3 elementos, mas a legislação (Portaria n.º 1147/2001 de 28 de Setembro
com as alterações introduzidas pelas Portarias n.ºs 1301-A/2002 de 28 de Setembro e 402/2007 de 10 de Abril) define como de 2 elementos, como poderá ver abaixo transcrito do site do INEM.
( http://www.inem.pt/document/468473/487628.pdf)

"Tripulantes
24 — Ambulâncias de transporte — tipo A:
24.1 — A tripulação das ambulâncias de transporte é constituída por dois elementos, sendo um simultaneamente o condutor.
24.2 — Os tripulantes das ambulâncias de transporte devem ter o curso de tripulante de ambulâncias de transporte, ministrado por organismos reconhecidos como idóneos pelo INEM para tal fim.
25 — Ambulâncias de socorro — tipo B:
25.1 — A tripulação das ambulâncias de socorro é constituída por dois elementos, sendo um simultaneamente o condutor.
25.2 — Pelo menos um dos elementos da tripulação deve possuir
obrigatoriamente o curso de tripulante de ambulância de socorro, ministrado pelo INEM ou por organismos por si reconhecidos como idóneos, que assume a chefia da tripulação e não pode exercer a função de condutor.
25.3 — O outro elemento deve ter, pelo menos, o curso de tripulante de ambulância de transporte.
26.1 — A tripulação das ambulâncias de cuidados intensivos é constituída por três elementos, sendo um simultaneamente o condutor.
26.2 — Um dos dois outros elementos deve ser um médico com formação específica em técnicas de suporte avançado de vida.
26.3 — O terceiro elemento da tripulação pode ser um enfermeiro ou um indivíduo habilitado com o curso de tripulante de ambulância de socorro.
26.4 — A utilização do equipamento destinado ao suporte avançado de vida é da exclusiva responsabilidade do médico."

Um abraço desde Santana e de todos os colegas dos BVS

Anónimo disse...

Os meus Parabens a está corporação de Bombeiros por servir este nosso Concelho de Santana mas também por ter este belissimo blog em que podemos ficar a conheçer melhor a " vida " das corporações e como operam no socorro de todos nós.
Continuem o Bom Trabalho e o bem Ajam.
Abraços a todos os Bombeiros V. Santana